Select Language : English 日本語 Português

Américas

Brasil: English / 日本語 / Português do Brasil
Estados Unidos: English

Europa, Oriente Médio, África (EMEA)

EMEA:
(Bélgica, França, Alemanha, Holanda, Espanha, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido)
English / 日本語 / Español / Deutsch / Français
Rússia: English / 日本語 / русский

Ásia-Pacífico

Japão(Comercial): English / 日本語
Japão(Residencial): English / 日本語
Austrália(NTT Com ICT Solutions): English
China Continental: English / 日本語 / 簡體中文
Hong Kong e Macau: English / 日本語 / 繁体中文 / 簡體中文
Índia: English / 日本語
Indonésia: English
Coreia: English / 日本語 / 한국어
Malásia: English
Filipinas(DTSI): English
Singapura: English / 日本語
Taiwan: English / 日本語 / 繁体中文
Tailândia: English / 日本語
Vietnã: English / 日本語

Recuperação de desastres: A NTT fornece consultoria para a elaboração de um plano sólido de recuperação

30 de julho de 2013
Publicado originalmente na Contingency Today (contingencytoday.com)

De desastres naturais a ameaças de brechas na segurança, não faltam pressões para a operação de redes corporativas globais e seus sistemas de suporte. Nenhuma pressão foi maior em 2011, durante o terremoto japonês e o subsequente tsunami que causou interrupção generalizada nos fornecimentos de energia e conectividade de rede. Isso fez com que as empresas reavaliassem suas estratégias tradicionais de recuperação de desastres. Cerca de 900 centrais ficaram sem energia, 16 linhas de rede cortadas e 1,5 milhões de cabos foram destruídos, causando uma grande interrupção para muitas empresas, totalizando mais de 153 bilhões de libras (235 bilhões de dólares). As empresas se empenharam em recuperar, a computação em nuvem se tornou um tópico em evidência e seus serviços ainda mais relevantes, não somente como um requisito empresarial básico, mas para provisionamento em caso de ocorrência de desastres.

Dois anos mais tarde, de acordo com uma survey by TechTarget, a recuperação de desastres é agora o principal motivo pelo qual as organizações estão migrando para a nuvem. Como a pesquisa sugere, as organizações que mais pensam no futuro percebem que a nuvem pode ir além do trabalho inteligente quando ambientes empresariais podem ser desafiadores, mas como eles tornam a recuperação de desastres como um serviço (DRaaS) uma realidade? Identificamos quatro papéis importantes que a nuvem pode desempenhar caso ocorra uma violação ou desastre natural:

Backup e recuperação

o As empresas podem ir para a nuvem e fazer backup dos dados em caso de desastre. Os dados transmitidos por um provedor de nuvem podem ser armazenados em vários locais globalmente, ao toque de um botão. As empresas podem fazer backup de arquivos na nuvem e recuperá-los por arquivo e quando for necessário

Arquivamento em nuvem

o Setores como finanças e saúde precisam armazenar dados por longos períodos para manter a conformidade do setor, principalmente quando a soberania da segurança e dados é preocupante. Manter esses arquivos de dados intactos pode ser um desafio, principalmente durante um desastre. O arquivamento de arquivos de dados de longo prazo em nuvem fornece uma solução, já que eles podem ser armazenados em backup em vários locais e movidos de servidor para servidor

Failover baseado em nuvem

o O failover baseado em nuvem foi criado para replicar continuamente os servidores, os sistemas operacionais e os aplicativos essenciais através de uma nuvem com hospedagem segura. Isso significa que, em caso de falha no servidor, os clientes podem iniciar os dados para serem automaticamente recuperados e redirecionados para outros servidores (sem intervenção humana), através de um túnel VPN seguro e eficiente em termos de largura de banda

Virtualização

o A virtualização pode ajudar a reduzir custos e a melhorar o tempo de recuperação de informações em um desastre. É também muito mais fácil recuperar uma máquina virtual do que um dispositivo físico, permitindo que as empresas armazenem aplicativos e dados essenciais nessas máquinas. Os servidores também podem ser espelhados, conhecidos como "instantâneos", dessa forma, vários servidores com as mesmas informações podem ser distribuídos para diversos locais usando redes privadas

Muitas empresas reconhecem a necessidade de ampliar a definição de recuperação de desastres para incluir as interrupções diárias de serviço que enfrentamos, por menores que sejam, significando que os requisitos de DRaaS permanecem esporádicos. Mas para a maioria das organizações, a recuperação de desastres é exatamente isso - recuperar de um desastre. Por exemplo, em 2012, o furacão Sandy atingiu a costa leste dos Estados Unidos e Canadá, causando danos a um número enorme de hospitais e centros de saúde em áreas densamente povoadas. Com a tempestade, alguns centros médicos precisaram fechar e outros perderam acesso a informações vitais, incluindo registros médicos e dados laboratoriais.

Com as mudanças no modo como a tecnologia pode ser implementada e as melhorias na conectividade, a continuidade dos negócios e a rápida recuperação do sistema estão agora ao alcance de muito mais organizações. O uso da nuvem pode também aumentar o retorno do investimento, retirando dos livros os ativos relacionados à recuperação de desastres. Os desastres recentes comprovam a importância dos serviços em nuvem e mostram que a nuvem pode fornecer uma outra porta para que as empresas de qualquer setor executem seus programas de contingência. Enquanto outras ferramentas, como testes regulares e virtualização, melhoram qualquer plano de continuidade dos negócios e de recuperação de desastres, a computação em nuvem pode ajudar a proteger os aplicativos e dados essenciais de uma empresa por longo tempo.

Back to Top