Select Language : English 日本語 Português

Américas

Brasil: English / 日本語 / Português do Brasil
Estados Unidos: English

Europa, Oriente Médio, África (EMEA)

EMEA:
(Bélgica, França, Alemanha, Holanda, Espanha, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido)
English / 日本語 / Español / Deutsch / Français
Rússia: English / 日本語 / русский

Ásia-Pacífico

Japão(Comercial): English / 日本語
Japão(Residencial): English / 日本語
Austrália(NTT Com ICT Solutions): English
China Continental: English / 日本語 / 簡體中文
Hong Kong e Macau: English / 日本語 / 繁体中文 / 簡體中文
Índia: English / 日本語
Indonésia: English
Coreia: English / 日本語 / 한국어
Malásia: English
Filipinas(DTSI): English
Singapura: English / 日本語
Taiwan: English / 日本語 / 繁体中文
Tailândia: English / 日本語
Vietnã: English / 日本語

Medidas de segurança para a Internet das Coisas (IoT) que está se multiplicando em todo o mundo.

NTT Com Global Watch vol 5

No final de 2014, o governo japonês deu início a uma revisão geral de sua política de TI, a fim de melhorar a competitividade global da indústria japonesa. O governo está facilitando as discussões pelo Subcomitê de Economia de Informações da reunião da sessão para a Distribuição de informações de assuntos comerciais no Conselho de Estrutura Industrial. As negociações giram em torno da padronização e sistematização a fim de promover a utilização de dados grandes por todos os setores, incluindo o setor de produção. Seu objetivo é promover a utilização de uma ICT estratégica e reformar o setor no Japão com práticas globais, começando pelo interior do país. Em outras palavras, trata-se de uma moderna revolução industrial. O contexto para tal é a promessa de grandes dados em uma escala global em razão do desenvolvimento da "IoT" (Internet das Coisas).

A internet das coisas continua a se expandir

Atualmente, é são apenas terminais de informações como PCs e telefones celulares que estão conectados em rede. Dispositivos conectados em rede se expandiram para incluir câmaras de monitoramento, máquinas de venda, maquinário industrial, veículos motorizados e uma variedade de medidores e sensores. Até 2020, seu número está previsto para crescer de 30 a 50 bilhões. Além disso, alguns dizem que isso será transformado em um "universo com trilhões de sensores", uma sociedade na qual um trilhão de sensores será utilizado anualmente.

Em novembro de 2014, a IDC Japan, uma empresa de pesquisas especializada em TI, previu que sua escala de mercado de IoT cresceria de 1,3 trilhão de dólares em 2013 para 3,04 trilhões de dólares em 2020. A previsão aponta: "Em curto prazo, a América do Norte liderará o mercado, mas até 2020, o número de dispositivos de IoT na Europa Ocidental e na região da Ásia-Pacífico ultrapassará o da América do Norte, em razão de um grande impulso dos mercados governantes e suas ênfases em um ambiente mais aberto."

O estudo afirma que a IoT será difundida no Japão da mesma forma que em todo o mundo e que o mercado continuará a crescer. De acordo com uma previsão feita pela IDC Japan, anunciada em fevereiro de 2015, o volume de vendas nacionais de IoT deverá aumentar de 9,4 bilhões de ienes em 2014 para 16,4 bilhões de ienes em 2019. O número de dispositivos de IoT também deve aumentar de 557 milhões em 2014 para 956 milhões em 2019.

cmn_en_img_resources_global-watch-vol5_01

Riscos aumentados com a proliferação da IoT

Com o desenvolvimento da IoT, tudo estará conectado à rede, diretamente ou por meio de um medidor ou sensor, e dados grandes serão gerados por meio da coleta e do acúmulo de dados variados. Analisar e utilizar estes dados, de acordo com os objetivos e as aplicações, possibilitará a criação de inovações. Por exemplo, um aumento da segurança da infraestrutura pública, um aumento da eficiência de energia, um aumento de competitividade industrial, uma melhoria da qualidade de produtos e serviços, e atividades diárias mais ricas e convenientes.

Também não podemos nos esquecer do aumento do risco que acompanha a proliferação da IoT. Quando todas as coisas estiverem conectadas à rede, estarão sujeitas a ataques cibernéticos. Em particular, um ataque cibernético que interrompe as operações normais de sistemas de infraestrutura crítica que apoiam a sociedade, a indústria e a economia provocará sérios acidentes e danos. A propósito, o Centro Nacional de Prontidão a Incidentes e Estratégia para Segurança Cibernética (NISC) definiu 13 áreas de infraestruturas críticas.

Akira Sakaino, especialista em IoT e gerente sênior da Divisão de desenvolvimento de tecnologia na NTT Communications, explica o seguinte sobre os riscos que vêm com a proliferação da IoT. "Suponhamos que se o sistema de controle de uma fábrica de produtos químicos esteja sujeita a uma ameaça-alvo. Em circunstâncias normais, os valores de temperatura, pressão, etc. enviados dos sensores em cada máquina são captados pelo sistema de controle, que monitora e controla o status de execução da máquina com segurança. Os dados de informações operacionais, que consistem em valores, etc. são monitorados pelo sistema de controle e exibidos no painel de exibição na sala de controle, e uma pessoa responsável pelo monitoramento o verifica sempre. Contudo, existe um risco de alguém apresentar um vírus no sistema que viole o painel de exibição dos dados da sala de controle. Portanto, mesmo que haja alguma anormalidade no equipamento, este continuará a exibir valores normais. Se isso acontecer, a pessoa que estiver monitorando não perceberá a situação, mesmo se o equipamento estiver excessivamente quente e em alta pressão, e a máquina poderá explodir e entrar em chamas." (Sakaino)

cmn_en_img_resources_global-watch-vol5_02

Garantia de que a segurança é uma pré-condição de utilização da IoT

Takashi Horikoshi, responsável pelas áreas de IoT da Divisão de desenvolvimento técnico da NTT Com, afirma: "Na realidade, qualquer número de explosões e incêndios ocorre em indústrias químicas nacionais. Em indústrias químicas, as matérias-primas são produzidos para uma variedade de produtos, e os combustíveis são produzidos para uso em uma variedade de setores. Se a alimentação diminuir, o impacto econômico também aumentará. No entanto, o fato é que, muitas vezes, a causa de grandes acidentes em indústrias químicas não pode ser identificada. Isso ocorre porque os dispositivos que registraram os dados operacionais acabam sendo destruídos pelo incêndio. Se a causa não for identificada, não será possível encontrar uma solução. Nesses casos, as operações continuam, mas os riscos permanecem."

Portanto, não podemos descartar a possibilidade de que alguns dos acidentes em indústrias químicas ocorridos até agora tenham sido causadas por ataques cibernéticos aos sistemas de controle.

Shin Miyakawa tem doutorado em Engenharia e é o gerente geral responsável pela Divisão de desenvolvimento de engenharia e o orientador de rede da NTT Com. Miyakawa afirma: "O equipamento e os dispositivos que apoiam infraestruturas críticas, como indústrias químicas, são conectados a sistemas de controle em uma rede fechada. Entretanto, estar fechada significa estar segura. Não importa em qual rede, as medidas de segurança são sempre necessárias. Ao possuir medidas de segurança precisas correspondentes ao tipo de rede e ambiente de uso, é possível utilizar a IoT em uma gama mais ampla de áreas."

Como um exemplo de medidas de segurança para a indústria química, Miyakawa propõe um "monitoramento do comportamento" por meio de VPN e uma nuvem privada segura. Os dados de funcionamento da máquina são enviados para a sala de controle por meio de um percurso diferente do utilizado para o equipamento e o sistema de controle, e a rede que conecta o painel de exibição da sala de controle. Mesmo no caso improvável de um ataque cibernético ao sistema de controle que viole os dados de funcionamento, a segurança pode ser mantida, pois os dados operacionais corretos são enviados em tempo real, e o sistema na nuvem privada detecta os sinais anormais.

cmn_en_img_resources_global-watch-vol5_03

Miyakawa diz: "Aqui está um exemplo hipotético. Caso alguém tenha pego um cartão de memória USB que tinha caído no estacionamento da fábrica e tenha sido inserido em um terminal conectado ao sistema da instalação, ele poderá espalhar vírus pela rede que deveria ter sido fechada. Caso não imagine todas as possibilidades ao unir medidas de segurança, não será possível manter a segurança. A primeira etapa na disseminação da IoT é se esforçar com medidas de segurança de rede, o que é um problema crítico", enfatiza.

O know-how da IoT da NTT Com é criado por meio de experimentos de validação

Até agora, a NTT Com continuou a fornecer redes e serviços que podem oferecer suporte corporativo e segurança organizacional para muitas empresas no campo de infraestrutura crítica, cujos trabalhos e serviços não podem, de forma alguma, ser interrompidos. Além disso, a NTT Com está acumulando experiência e know-how para o estabelecimento de medidas de segurança na área de IoT, criando um grande número de iniciativas, a fim de apoiar a proliferação iminente da IoT.

A NTT Com está colaborando com o grupo virtual da Comunidade de Engenharia Virtual (VEC), comprometida com atividades para a proliferação de segurança do sistema de controle com regiões-alvo como indústrias de fabricação, edifícios, energia e energia elétrica. A NTT Com está envolvida em experimentos de validação para "Industry4.1J", que está alavancando a infraestrutura de comunicação de informações globais seguras para melhorar a produtividade das fábricas, indústrias e edifícios, e para aumentar a eficiência das operações de manutenção.

cmn_en_img_resources_global-watch-vol5_04

A finalidade deste experimento/projeto de validação é confirmar os requisitos técnicos da infraestrutura de comunicação que contribuem para garantir a segurança e a eficiência na linha de montagem. Por exemplo, a capacidade da rede atual e das infraestruturas em nuvem para ser compatível com a frequência, a velocidade e o volume da comunicação de dados que ocorre entre a linha de montagem e a nuvem, o piso da produção e a computação em nuvem, necessárias para o monitoramento remoto do sistema de controle.

Para este projeto, a NTT Com está fornecendo o "Enterprise Cloud", um ambiente em nuvem seguro, e o "Arcstar Universal", uma rede de VPN segura, a fim de desenvolver um ambiente seguro de ICT, essencial para o monitoramento remoto das infraestrutura crítica.

Conforme o campo de IoT se prolifera globalmente, a NTT Com continua a fornecer uma rede segura e ambientes em nuvem que protegem a segurança da infraestrutura compatível com os estilos de vida e os setores em todos os países e regiões.

cmn_en_img_resources_global-watch-vol5_05

Dr. Shin Miyakawa
Orientador de rede
Director
Desenvolvimento de tecnologia

 

Akira Sakaino
Gerente sênior
Desenvolvimento de tecnologia

 

Takashi Horikoshi
Desenvolvimento de tecnologia

Back to Top